10 curiosidades sobre o nascimento de Jesus

O nascimento de Jesus é um dos eventos mais importantes da história cristã. Ele marcou o início da nova aliança entre Deus e os homens, e revelou o plano de salvação de Deus para o mundo. Mas você sabia que existem muitos fatos interessantes e surpreendentes sobre o nascimento de Jesus que nem sempre são conhecidos ou explorados? Neste artigo, vamos ver 10 curiosidades sobre o nascimento de Jesus que vão te deixar impressionado.

Veja também: o Segredo para qualquer brasileiro aprender a conversar em inglês sem precisar morar nos Estados Unidos! Acesse aqui

1. Jesus não nasceu em 25 de dezembro

A data de 25 de dezembro foi uma escolha humana para celebrar o nascimento do Messias, mas não corresponde à data real do seu nascimento. Há vários indícios bíblicos e históricos que apontam para uma maior possibilidade de Jesus ter nascido no início do outono, entre setembro e outubro, no hemisfério norte.

Por exemplo, a Bíblia diz que havia pastores nos campos cuidando das ovelhas na noite do nascimento de Jesus (Lucas 2:8), o que seria improvável no inverno rigoroso da Palestina. Além disso, a Bíblia também diz que José e Maria foram a Belém para se registrar no censo ordenado pelo imperador romano Augusto (Lucas 2:1-5), o que dificilmente seria feito no inverno, quando as estradas estariam intransitáveis.

2. Jesus nasceu na mesma aldeia do rei Davi

Jesus não só era descendente direto do rei Davi, como também nasceu na mesma aldeia que ele: Belém. Isso cumpriu a profecia do Antigo Testamento que dizia que o Messias viria da linhagem de Davi e nasceria em Belém (Miquéias 5:2). O nascimento de Jesus em Belém também simboliza que Ele é o verdadeiro Rei de Israel, o Filho de Davi, que reinaria para sempre sobre o seu povo com justiça e paz (Isaías 9:7).

3. O nascimento de Jesus arruinou a reputação de José

José era um homem justo e fiel a Deus, mas teve que enfrentar uma situação muito difícil quando soube que sua noiva, Maria, estava grávida pelo Espírito Santo (Mateus 1:18-25). Na cultura judaica da época, isso seria considerado um grave escândalo, e José poderia até mesmo mandar apedrejar Maria por adultério. Porém, José decidiu não expor Maria ao desprezo público, e pensou em despedi-la secretamente.

Mas um anjo do Senhor apareceu a ele em sonho, e confirmou que Maria estava grávida do Filho de Deus, e que ele deveria se casar com ela e dar-lhe o nome de Jesus. José obedeceu ao anjo, mas certamente sofreu o desprezo e a rejeição de seus parentes e amigos, que não acreditaram na sua história. A Bíblia mostra que as pessoas se referiam a Jesus como “o filho do carpinteiro”, de forma depreciativa, sem nem mesmo mencionar o nome de José (Mateus 13:55).

4. Jesus provavelmente não nasceu em um estábulo

A imagem tradicional do nascimento de Jesus em um estábulo, rodeado de animais, pode não ser totalmente precisa. A Bíblia diz que José e Maria não encontraram lugar na hospedaria, e que Jesus foi deitado em uma manjedoura, que é um cocho para alimentar os animais (Lucas 2:7). Porém, a palavra grega traduzida como “hospedaria” pode significar também um quarto de hóspedes, e a palavra “manjedoura” pode indicar um lugar onde se guardava o feno.

É possível que José e Maria tenham se hospedado na casa de algum parente em Belém, mas que o quarto de hóspedes estivesse ocupado, e que eles tivessem que usar a parte inferior da casa, onde se guardava o feno e os animais. Essa era uma prática comum nas casas da Palestina naquela época. Portanto, Jesus pode ter nascido em uma casa, e não em um estábulo.

5. Os magos do Oriente não eram reis, nem eram três

A Bíblia diz que, depois do nascimento de Jesus, uns magos do Oriente chegaram a Jerusalém, procurando pelo rei dos judeus que havia nascido, pois eles viram a sua estrela no céu (Mateus 2:1-12). Os magos eram sábios que estudavam as estrelas e a astrologia, e que tinham influência política e religiosa em seus países. Eles não eram reis, mas provavelmente eram conselheiros de reis.

A Bíblia também não diz quantos eram, mas apenas que eles trouxeram três presentes: ouro, incenso e mirra. Esses presentes tinham um significado profético: o ouro representava a realeza de Jesus, o incenso representava a sua divindade, e a mirra representava o seu sofrimento e morte.

6. A estrela de Belém não era uma estrela comum

A estrela que guiou os magos até o lugar onde estava Jesus não era uma estrela comum, mas um sinal sobrenatural de Deus. A Bíblia diz que a estrela ia adiante dos magos, até que parou sobre o lugar onde estava o menino (Mateus 2:9). Isso mostra que a estrela não seguia as leis da astronomia, mas era controlada por Deus. Alguns estudiosos sugerem que a estrela era um anjo, ou uma manifestação da glória de Deus, que apareceu aos magos para revelar-lhes o nascimento do Salvador.

7. Jesus nasceu em meio a uma guerra espiritual

O nascimento de Jesus foi um momento de grande alegria, mas também de grande perigo. O diabo, o inimigo de Deus e dos homens, tentou impedir o nascimento do Messias, usando o rei Herodes como seu instrumento. Herodes era um rei cruel e paranóico, que matou vários membros de sua própria família por medo de perder o trono.

Quando ele soube pelos magos que o rei dos judeus havia nascido, ele ficou perturbado, e mandou matar todos os meninos de dois anos para baixo em Belém e arredores, esperando eliminar Jesus (Mateus 2:16-18). Porém, Deus avisou José em sonho, e ele fugiu com Maria e Jesus para o Egito, até que Herodes morreu. Assim, Deus protegeu o seu Filho da fúria de Satanás, que tentou frustrar o seu plano de salvação.

8. Jesus nasceu depois de 400 anos de silêncio de Deus

Você sabe o que Deus fez depois do tempo dos profetas do Antigo Testamento? Nada. Pelo menos, nada que tenha sido registrado na Bíblia. Entre o último livro do Antigo Testamento, Malaquias, e o primeiro livro do Novo Testamento, Mateus, há um intervalo de cerca de 400 anos, conhecido como o período intertestamentário.

Nesse período, Deus não enviou nenhum profeta, nem fez nenhum milagre, nem revelou nenhuma mensagem ao seu povo. Foi um tempo de silêncio e de espera. Mas Deus não estava ausente, nem indiferente. Ele estava preparando o cenário para o nascimento de Jesus, o cumprimento de todas as suas promessas. O nascimento de Jesus foi o fim do silêncio de Deus, e o início da sua comunicação definitiva com a humanidade.

9. Jesus nasceu para morrer

O nascimento de Jesus foi um motivo de grande alegria, mas também de grande tristeza. Porque Jesus não veio ao mundo apenas para viver, mas também para morrer. Ele veio para dar a sua vida em resgate por muitos, para pagar o preço dos nossos pecados, para nos reconciliar com Deus. Ele veio para ser o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo.

9. Jesus nasceu para morrer

O nascimento de Jesus foi um motivo de grande alegria, mas também de grande tristeza. Porque Jesus não veio ao mundo apenas para viver, mas também para morrer. Ele veio para dar a sua vida em resgate por muitos, para pagar o preço dos nossos pecados, para nos reconciliar com Deus.

Ele veio para ser o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo. Ele veio para ser o Servo Sofredor, que leva sobre si as nossas dores. Ele veio para ser o Rei Crucificado, que reina do alto da cruz. Ele veio para ser o Salvador Ressurreto, que vence a morte e nos dá a vida eterna.

A Bíblia mostra que o propósito do nascimento de Jesus era a sua morte. Desde o seu nascimento, Ele já estava marcado para morrer. Os presentes dos magos, o incenso e a mirra, eram usados para embalsamar os mortos.

A profecia de Simeão, que disse que uma espada traspassaria a alma de Maria, apontava para o sofrimento que ela teria ao ver o seu filho morrer. A perseguição de Herodes, que tentou matar Jesus ainda bebê, era um sinal da oposição que Ele enfrentaria até a cruz. O próprio nome de Jesus, que significa “Deus salva”, indicava que Ele salvaria o seu povo dos seus pecados, através do seu sangue derramado.

10. Jesus nasceu para nascer em nós

O nascimento de Jesus não foi apenas um fato histórico, mas também uma realidade espiritual. Jesus não veio ao mundo apenas para nascer em Belém, mas também para nascer em nós. Ele veio para nos dar uma nova vida, uma nova natureza, uma nova identidade. Ele veio para nos fazer filhos de Deus, pela fé em seu nome. Ele veio para habitar em nós, pelo seu Espírito. Ele veio para nos transformar à sua imagem, pela sua graça.

A Bíblia diz que, se alguém está em Cristo, é nova criatura; as coisas antigas já passaram, eis que tudo se fez novo (2 Coríntios 5:17). Isso significa que, quando recebemos a Jesus como nosso Senhor e Salvador, Ele nos dá um novo nascimento, um novo coração, uma nova mente, uma nova esperança, uma nova missão. Ele nos faz participantes da sua vida, da sua morte, da sua ressurreição, da sua glória. Ele nos faz mais do que vencedores, em todas as coisas.

Conclusão

O nascimento de Jesus é um dos maiores mistérios e maravilhas da história. Ele revela o amor de Deus, a graça de Deus, o poder de Deus, o plano de Deus, para a salvação da humanidade. Ele mostra que Deus se fez homem, para que o homem se tornasse filho de Deus. Ele mostra que Deus se humilhou, para que o homem fosse exaltado. Ele mostra que Deus se entregou, para que o homem fosse liberto.

Neste Natal, que possamos celebrar o nascimento de Jesus com gratidão, adoração, alegria e fé. Que possamos reconhecer que Ele é o verdadeiro sentido do Natal, e o verdadeiro sentido da nossa vida. Que possamos receber a Jesus em nosso coração, e permitir que Ele nasça em nós, e através de nós, para a glória de Deus. Amém.

Obrigado pela sua atenção e até a próxima!

Tags:

Sobre o Autor

0 Comentários

Deixe uma resposta